QUANDO COBRAR BARATO, SAI CARO

Tempo de leitura: 2 minutos

APRENDENDO A “PRECIFICAR” SEUS SERVIÇOS

Certa vez, parei para analisar qual seria o motivo de estar perdendo alguns novos clientes de sites…

Depois de muito pensar e analisar fatos, percebi que o problema era o preço do serviço. Estava BARATO DEMAIS!

quando-cobrar-barato-sai-caro-1Designed by Freepik

Mas você pode até argumentar que o preço baixo chama clientela, certo? Sim, isto é fato. Mas existe um outro lado da moeda.

Quando um cliente paga muito abaixo do mercado por um produto ou serviço, isto não dá a esse cliente o “prazer da conquista”. Ele comprou por estar barato e como consequência, pode vir a não valorizar o bem adquirido.

No ano de 2007, fazia sites por R$ 399,00 e perdi muitos clientes. Passei pra R$ 699,00 e continuava perdendo.

Foi aí que recebi uma ligação de um “concorrente”, também desenvolvedor, me aconselhando a subir meus preços, já que eu estava cobrando menos da metade do preço médio.

Naquele momento, não concordei!

Estamos em um país capitalista e posso cobrar o quanto eu quiser pelos meus serviços!!!“, retruquei…

Mas… algum tempo depois, vi que eu realmente estava errado.

Hoje cobro de 5 a 7 vezes do valor que cobrava antes para o desenvolvimento de um site! Atualmente em média, cobro o valor de 3 salários mínimos para o desenvolvimento de um site responsivo baseado em um CMS como o Joomla ou WordPress.

Mas consigo a quantidade de clientes que antes? Lógico que não! Mas os clientes agora permanecem com seus sites no ar, e como existem dois serviços em si, o desenvolvimento e a hospedagem gerenciada do site, enquanto permanece ativo, este novo cliente gera renda recorrente.

 

QUALIDADE TEM SEU PREÇO!

Veja marcas como o sabão em pó Omo, a margarina Qualy, o açúcar União e os chocolates Ferrero Rocher. Produtos que são os mais caros de suas categorias e mesmo assim, vendem. Porquê? Simples, pela QUALIDADE!

Preze pela qualidade de seus serviços e não tenha medo de oferecer um preço justo, desde é claro, que esteja dentro de uma média de mercado.

Na dúvida, faça uma pesquisa para saber o quanto em média é cobrado e se mantenha na média. Nem muito acima mas nem muito abaixo.

Mas se você de dedicar ao seu produto ou serviço e torná-lo diferente de tudo, se você conseguir de tornar um “especialista” no assunto, você poderá até cobrar um pouco acima da média.

Faça um teste e depois me diga! 😉

Nos vemos em um próximo post!

Sucesso!!!

  • Sergio Tomás

    Olá Vagner, me deparei com esse mesmo problema a quatro minutos atrás e o seu post exemplificou muito bem o que está se passando comigo, gostaria de saber se você adotou algum modelo de cobrança ou se você costuma buscar referências de preços. Se puder compartilhar ficarei muitissimo grato!

    • Vagner Monfer

      Olá Sérgio!
      O método que uso hoje é a “pesquisa da concorrência”. Apesar de que existem muitas variantes…
      Por exemplo… O preço que eu cobrava quanto atuava fazendo apresentações pessoais dos meus serviços na cidade do Rio de Janeiro era um. Agora na cidade que resido atualmente (Teresópolis), por ser uma cidade pequena, precisei reduzir um pouco. 😉

      Hoje prezo por oferecer serviços de qualidade e preço “justo” e tento me manter na média de preços do mercado.

      Grande abraço e sucesso!!!

      • Sergio Tomás

        Lega Vagner, vou começar a adotar essa prática e valorizar meu trabalho.
        obrigado por compartilhar sua experiência, forte abraço e sucesso também!

        • Vagner Monfer

          De nada, amigo. Precisando, estamos aqui!
          Que Deus te abençoe em sua jornada empreendedora!

          Sucesso!